​Inteligência Artificial no judiciário é tema de debate em evento realizado pela Esmam em parceria com o Sindjus-MA

25/10/2019 | 16:27 - matéria visualizada 462 vezes
Gerente de projetos do TJRR, Ville Medeiros, juiz do TJPE, José Faustino Ferreira, e presidente do Sindjus-MA, Anibal Lins, durante formação de mesa do evento que discutiu Inteligência Artificial'Inteligência Artificial no Poder Judiciário: desafios e perspectivas' foi o tema do evento realizado nesta sexta-feira (25) pela Escola Superior da Magistratura do Estado do Maranhão (Esmam), no Auditório Madalena Serejo, no Fórum do Calhau, em São Luís.
 
A Esmam acolheu o projeto apresentado pelo Sindicato dos Servidores da Justiça do Maranhão (Sindjus-MA) para realização do evento que teve o objetivo de debater a implementação da inteligência artificial (IA) no judiciário brasileiro, a exemplo do que já vem sendo feito no Tribunal de Justiça de Roraima e no Tribunal de Justiça de Pernambuco.
 
A mesa de formação do evento foi composta pelo gerente de projetos do Tribunal de Justiça de Roraima, Ville Caribas Medeiros, pelo juiz do Tribunal de Justiça de Pernambuco, José Faustino Ferreira, e pelo presidente do Sindjus-MA, Anibal Lins.
 
O analista judiciário Ville Caribas Medeiros abriu o evento apresentando o estudo de caso 'Construindo um Ambiente de Desenvolvimento para a Inteligência Artificial'O analista judiciário Ville Caribas Medeiros, gerente de projetos do Tribunal de Justiça do Estado de Roraima, abriu o evento apresentando o estudo de caso “Construindo um Ambiente de Desenvolvimento para a Inteligência Artificial”.
 
Ville Medeiros discorreu sobre conceitos de Inteligência Artificial, falou acerca da aplicação da tecnologia e desenvolvimento de sistemas que revolucionaram a organização de dados no Tribunal de Justiça de Roraima (TJRR). O palestrante destacou a importância de se fazer investimento em parceria com instituições de pesquisa, mas com a contribuição dos servidores para garantir a eficiência nos resultados.  
 
“Temos feito investimento em desenvolvimento de projetos em parceria com instituições, mas a participação dos que integram o judiciário é fundamental. Não se consegue fazer inteligência artificial sem os servidores. A inteligência vem das pessoas”, ressaltou Ville que também falou do aprimoramento do ser humano para a prestação jurisdicional sob a ótica do uso da tecnologia.
 
O juiz José Faustino Ferreira, do Tribunal de Justiça de Pernambuco (TJPE), apresentou o 'Painel de Inteligência Artificial'O juiz José Faustino Ferreira, do Tribunal de Justiça de Pernambuco (TJPE), apresentou o Painel de Inteligência Artificial, que destacou que além do uso do sistema Processo Judicial eletrônico (PJe) que é utilizado para processos cíveis nas comarcas do TJPE, o tribunal também empregou a inteligência artificial para conferir maior celeridade à tramitação processual, otimizando a utilização de recursos humanos e tecnológicos. O Judiciário pernambucano desenvolveu um sistema de inteligência artificial, batizado com o nome “Elis”, para analisar os processos de executivos fiscais com resultados bastante satisfatórios, também aliados a cooperação dos servidores.
 
“Sem os nossos servidores a gente não chegaria aonde chegou. Eu não tenho dúvida nenhuma disso”, disse José Faustino ao fazer a apresentação sobre o sistema Elis, que levou o nome da filha de um servidor.
 
O evento encerrou com a contribuição dos palestrantes que responderam as perguntas feitas por servidores, magistrados e advogados, principalmente relacionadas aos impactos do uso da Inteligência Artificial no trabalho dos que integram o judiciário.
 
“Ninguém vai substituir o juiz, ninguém vai substituir o servidor. Novas técnicas serão adotadas, mas todos têm um papel importante nesse processo”, respondeu o juiz José Faustino quando questionado sobre a possibilidade da Inteligência Artificial substituir o servidor no sistema judiciário.

Anibal LinsPara o presidente do Sindjus-MA, Aníbal Lins, o evento foi bastante proveitoso para o debate acerca da implementação da Inteligência Artificial nos tribunais por se tratar de uma discussão que envolve a todos: magistrados, servidores e operadores do direito. Ele agradeceu ao diretor da Esmam pela realização do evento. “Agradeço ao diretor da Esmam, o desembargador Froz Sobrinho pela oportunidade que deu aos servidores do Judiciário do Maranhão de participarem desse evento da maior relevância. Uma promoção conjunta da Escola Superior da Magistratura com o Sindjus-MA, que realça espírito democrático por parte desse ilustre magistrado”, declarou Lins.

Versão para Impressão