Infectologistas não recomendam cloroquina ou hidroxicloroquina na terapia precoce da COVID-19

19/05/2020 | 13:57 - matéria visualizada 273 vezes
Medicamento Cloroquina ou HidroxicloroquinaFoi publicado nesta segunda-feira (18), pela Comissão de Infectologistas que assessora a Secretaria de Estado da Saúde, um parecer técnico sobre o uso da cloroquina ou hidroxicloroquina (CQ/HCQ) combinada com azitromicina (AZM ) no tratamento de casos leves de infecção pelo novo coronavírus. Conforme o parecer, a Comissão não recomenda o uso de cloroquina ou hidroxicloroquina, com ou sem azitromicina, para casos confirmados de COVID-19 que apresentem sintomas leves e em fase precoce.

O documento faz uma revisão das evidências históricas de pesquisas já realizadas. De acordo com os autores, os “estudos clínicos que sugeriram benefício para uso de CQ/HCQ na COVID-19 apresentam nível baixo/muito baixo de certeza, com alto risco de vieses.” Também alertam para “o aumento de paradas cardíacas com uso de HCQ/AZM numa destas coortes [grupo de pessoas pesquisadas] e a observação de prolongamento significativo de QT em outro estudo.”

O parecer também se posiciona “contra a elaboração de “kits” de tratamento para COVID-19, sob pena de causar a impressão para médicos e usuários de que há um tratamento de eficácia comprovada, ou mesmo uma cura, desencadeando uma corrida às unidades de saúde.”

Os integrantes da Comissão de  São autores: Ana Cristina Rodrigues Saldanha, Bernardo Bastos Wittlin, Conceição de Maria Pedrozo e Silva de Azevedo, Elza Carolina Cruz Sousa Barros, Eudes Alves Simões Neto, e Mônica Elinor Alves Gama.

FONTE: Blog da Dra. Mária do Remédios Branco (médica infectologista)
 
Versão para Impressão